17/12/08

Presidente quer eliminar o Vitória de Guimarães.


António Oliveira já reagiu ao resultado do sorteio da Taça de Portugal referente aos Quartos-de-Final da competição, António Oliveira lembrou a história, e tal como aconteceu em 1989/1990, época que o nosso Estrela venceu a Taça de Portugal.

"Vamos jogar em casa de um grande clube, com condições superiores às do Estrela da Amadora" lembrou António Oliveira, referindo que, ainda assim, o objectivo passa por lutar pelo acesso às meias-finais da prova: "Quando ganhámos a Taça de Portugal [época 1989/1990] também eliminámos o Vitória de Guimarães, mas nas meias-finais. Esperamos ultrapassar este adversário."

4 comentários:

Anónimo disse...

Uma coisa vos digo estrelistas, todos têm razão o mal já vem de trás mas este presidente continua-o, só espero que mais um presidente passe e o clube continue. Estrela Sempre

rms disse...

No ano mais glorioso da história tricolor tive a oportunidade de assistir a esse jogo memorável em Guimarães - Dezenas de autocarros sairam da Amadora e enchemos uma bancada inteira. Literalmente silenciamos uns dos adeptos mais ruidosos que são os do Vitória. O entusiasmo e a alegria só foram mesmo ultrapassados pela nossa brilhante vitória nos Jamor.

Estes dias já foram e hoje quando olho pras nossas bancadas vazias entristece-me. E isso é nem mais nem menos que um reflexo das gestões danosas que se têm fixado no Estrela.
O Sr. António Oliveira faz parte de um conjunto de pessoas que são responsáveis pelo estado do clube. Um homem que pura e simplesmente ignora os sócios não é digno de exercer o cargo de presidente.

Força Estrela!

Anónimo disse...

Opinião: atirem os sapatos a António Oliveira
[ 2008/12/18 | 00:45 ] Filipe Caetano

Artigos relacionados:
Opinião: A crise bancária e Jorge Jesus
Opinião: Metalist, um Dudelange «melhorzinho»
Opinião: Selecção Nacional reduz desemprego no Brasil
Opinião: Mantorras já é velha guarda?
Opinião: Devolvam-nos a trivela já!
«Futebolfilia»: o mundo à espera de mudança
Opinião: a Selecção do «Fon Fon Fon»
Opinião: os «jogadores jovens» e a evidência da crise
Opinião: é possível acabar com os «parte-pernas»?
Opinião: Kennedy, Kostadinov e outras comparações
Opinião: O «diabo» que vai à missa
Opinião: Os coitados dos juízes
Opinião: O culto da (in)competência
Opinião: o fim da «estação parva»
Opinião: um campeão que fale português

Futebolfilia Futebolfilia

Confesso. Estou farto de ouvir falar da greve do Estrela da Amadora. Suspeito mesmo que Joaquim Evangelista pertence a um limbo onde só existem sindicalistas engravatados, que falam advoguês, mas que nunca são capazes de marcar uma manifestação à porta do ministério.

Esta ameaça, que não passa disso mesmo, é um instrumento inócuo. Entendo a frustração de quem sofre, de quem não recebe, mas os jogadores não sentem o mesmo que os mineiros que protestam em Aljustrel ou dos pescadores que não calam a revolta à porta da Docapesca de Matosinhos. Esses trabalhadores também sofrem e quando é para fazer greve, cumprem!

Ora bem, o que se passa na Amadora é uma greve de pantufas. Um toque e foge que termina invariavelmente em derrota (dentro e fora de campo). Energias desnecessárias gastas em reuniões sobre formas de luta. Mas porquê, se a forma de luta é sempre a mesma e nunca é concretizada?

Já pensaram em pedir conselhos ao Mário Nogueira?

É uma verdade que a grave é um direito que assiste a qualquer trabalhador, mas quando lançado como arma de arremesso raramente atinge o alvo. Isto, a propósito da crise que nunca mais passa, dos salários que nunca mais são depositados e das promessas de um presidente que já não tem moral para aparecer em público.

Seria o fim do Estrela da Amadora, como sugeriu Evangelista? Eu diria que, a menos que José Sócrates esteja disposto a injectar mais alguns milhões, é melhor acabar com estes clubes sem viabilidade financeira para cumprir as exigências do principal campeonato nacional.

Mas, como em Portugal não estamos habituados a deixar falir bancos nem clubes, talvez um jornalista se lembre de atirar os sapatos a António Oliveira na próxima conferência de imprensa, como fez o iraquiano a Bush. Um gesto singular que serviria para vincar o ridículo de uma figura que simboliza a covardia e o investimento fictício reinante no nosso futebol.

Anónimo disse...

ESPETACULO, ATÉ PARECE QUE O PRESIDENTE, TEVE ALGUMA COISA A VER COM A CONQUISTA DA TAÇA DE PORTUGAL......... NEM SEQUER ERA SÓCIO,OU SERIA? ERA MAS SIM DOS LAMPIÕES.